top of page
Vista aérea do rio

Blog

Secretaria de Ambiente e Sustentabilidade apresenta plano para tornar o Rio uma “Metrópole Azul”



A Secretaria de Estado de Ambiente e Sustentabilidade teve mais um dia de importantes debates e reuniões na Conferência do Clima da ONU, em Sharm el-Sheik, no Egito. Nesta terça-feira (15/11), no plenário Osiris, a subsecretária de Recursos Hídricos, Ana Asti, participou do painel sobre soluções para a água e a segurança climática no planeta. O debate reuniu expoentes do combate às mudanças climáticas, como Serigne Mbaye Thiam (ministro de Água e Saneamento do Senegal) e Florika Fink-Hooijer (diretora-geral de Ambiente da Comissão Europeia).

Em sua apresentação, Asti destacou os projetos sustentáveis do estado para que o Rio de Janeiro ganhe o selo de “Metrópole Azul” da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

– Nosso objetivo é transformar o Rio em Metrópole Azul, um selo que a OCDE dá, atualmente, para 100 cidades no mundo. Mas, para isso, precisamos de ações concretas que apresentem soluções sociais, econômicas e ambientais para garantir bem-estar e segurança alimentar à população, gerar empregos verdes e proteger nosso ecossistema.

Reuniões ao longo do dia

Antes da apresentação no painel, que arrancou aplausos dos colegas de bancada e da plateia, a secretaria e a Cedae tiveram uma reunião privada com Oriana Romano, chefe de Governança de Água e Economia Circular do Centro de Empreendedorismo da OCDE. Asti e Mayná Morais, engenheira ambiental especialista em recursos hídricos da Cedae, começaram a construir o plano de trabalho do Governo do Estado para os próximos 18 meses, com ações que tornem o Rio sustentável através da economia azul.

Asti participou de mais reuniões ao longo do dia, na Cop 27. Pela manhã, se reuniu com membros da Coalizão Under2, que visa mitigar a emissão de gases do efeito estufa para que o planeta não ultrapasse a meta de aumento de 1,5 grau célsius na temperatura global. – Apresentamos nossos projetos para aumentar a Mata Atlântica em 10% até 2050, o que representa um crescimento de 440 mil hectares de floresta no estado. Também falamos sobre o aumento dos manguezais e da nossa política de segurança hídrica para garantir água potável para a população – destacou a subsecretária, que teve a companhia de governantes de cidades de México, Canadá, Austrália e Estados Unidos, além de representantes de Espírito Santo, Pernambuco e Ceará.

A reunião é um marco importante, segundo Asti, para que os estados ligados à Coalizão Under2 tenham, juntos, força política para buscar recursos diretamente com as instituições internacionais de fomento.

– Todos os estados envolvidos na reunião têm necessidade de apoio financeiro para combater as mudanças climáticas. Mas, normalmente, todos dependem dos governos federais para receber esses recursos internacionais.


10 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page